A hipocrisia mata a fé

O fermento é maneira de viver dos fariseus que é a autossuficiência e a hipocrisia

Nesse trecho de Marcos 8,14-21, o evangelista enuncia alguns princípios sobre a verdadeira pureza. Entretanto, quando os apóstolos seguem viagem, esquecem de levar mantimentos. Assim, Jesus aproveita desse momento para chamar a atenção sobre um dos maiores vícios da humanidade: a hipocrisia, a falsidade. Elas ferrem a pureza da pessoa, porque se escondem no meio das coisas boas, para estragá-las ou torná-las prejudiciais  ao semelhante.

Os fariseus não  sabiam ler os sinais que Jesus mostrava, porém os discípulos não compreendiam muito bem o que ele está fazendo, e às vezes nem o significado de sua ação. O esquecimento deles de não levarem pão para a viagem, provoca em Jesus uma reação contra as influências negativas referentes ao fermento dos fariseus e de Herodes (v. 14-15). O fermento é maneira de viver dos fariseus que é a autossuficiência e a hipocrisia. É a atitude a ser evitada pelos discípulos. É o elemento corrosivo que destrói a fé cristã. Desse modo, os discípulos não compreendem e pensam contraditoriamente. Marcos nos diz que havia apenas um pão no barco, mas este pão verá o próprio Jesus, o qual os discípulos não enxergavam. Por isso, Jesus os adverte sobre tal fermento. Mesmo assim, se perguntavam por que não tinham pães. A incompreensão ia tornando o ambiente mais pesado em torno de Jesus.  A preocupação dos discípulos é porque não acumularam pão. E Cristo os repreende mas uma vez; “por que vocês discutem sobre a falta de pães? Vocês ainda não entendem e nem compreendem? Estão como coração endurecido?” (v. 17). Ora, esse era o perigo de se tornarem hipócritas ou falsos. Não atinam sobre o sentido do Reino de Deus que Jesus ensinava (1Cor 5,6-8).

Realmente, os discípulos não sabiam analisar corretamente a pratica da partilha dos pães. Jesus recorda-lhes as duas partilhas realizadas no deserto (v.18-20). Mostra para eles que aquele pouco de pão que possuíam se comprometia com a solução do problema da fome dos que não tem nada para comer, e realizando a partilha estão produzindo em abundancia o Reino. Nem assim entenderam, pois parecia que o Mestre estava falando em código. O problema deles estava no fermento, porque buscavam  no fundo o seu próprio reino, acima do Reino de Deus, como os fariseus e  os herodianos, pela ambição de estar acima dos demais. Por isso, não compreendiam esse Jesus que vivia apenas das pessoas, principalmente com o que comer.

Portanto , Jesus ainda os questiona mais uma vez, por eles estavam cegos ainda sobre tudo o que lhes dizia. Nesse sentido, ele se dedicaria mais à instrução dos seus a apóstolos e prepará-los-ia para que superassem a concepção farisaica de Messias e de Reino, porque convivendo com Ele estavam muito distantes dele. Que saibamos compreender o que Jesus ensina e mostra pelos sinais que encontramos em nossa vida de fé, buscando a pureza de coração em nossas ações.

Refletindo:

Para vencermos a tentação da hipocrisia em  nós e no mundo, precisamos ter olhos para ver e ouvidos para escutar, isto é, muita atenção ao que se passa e muita fé no Deus que ensina.

Faça um comentário